Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Obsoletismos de estado

por Miss F, em 02.10.15

Cada vez acredito mais que os centros de emprego servem mais para nos dificultar a vida do que para nos ajudar. Até vou dividir por pontos para ser mais fácil:

 

1. Estou desempregada e recebo subsídio de desemprego.

2. Em 5 meses os únicos contactos que tive do centro de emprego foram 'sessões colecticvas de trivialidades'.

3. Consegui, por minha iniciativa, ser seleccionada para um estágio que vai ter início em Janeiro.

4. Este estágio prevê uma formação intensiva obrigatória de três meses, a full-time, sem qualquer remuneração.

5. Se não tenho remuneração tenho direito a continuar a auferir o dito subsídio. Até aqui, estão a acompanhar?

 

Desloquei-me ao centro de emprego para saber se, dado que já tenho emprego GARANTIDO a partir de Janeiro (logo vou deixar de ser um encargo para o estado) e tendo uma formação OBRIGATÓRIA para integrar esse emprego se era possível suspender a procura activa de emprego e as presenças quinzenais (que vão coincidir com o horário da formação). Não. Porque se estou desempregada tenho esses deveres. Sim, tudo bem, aquilo que estou a explicar é que na prática eu consegui o "dever" mais difícil - arranjar emprego através da procura activa de emprego, mas a remuneração é só a partir de Janeiro, logo até lá não tenho meios de subsistência (diga-se que nuna recebi outros subsídios, nem sequer uma baixa médica, é a primeira vez que sou um encargo para o estado). Não, porque aliás, se até Janeiro lhe apresentarmos uma proposta de trabalho que se enquadre no seu perfil está obrigada a aceitar. Mas não está a perceber, eu já tenho emprego GARANTIDO, mas só começo a ser paga em Janeiro. Pois. Tentei ainda ir por outra via - marcar os 30 dias de dispensa anuais a que temos direito neste primeiro mês e depois logo tentava articular com a empresa a questão das apresentações mais tarde, quando já houvesse alguma 'confiança'. Tem de marcar com 30 dias de antecedência, só pode pedir para 2 de Novembro. Sim, porque deve ser difícil conciliar as férias dos desempregados, depois há pouca gente e não está assegurada a produtividade (sarcasm mode: on). 

 

Eu sei que leis são leis, mas caramba não há um pouco de bom senso? Era preferível eu ter ficado com o rabo no sofá à espera de uma proposta deles? Que em 5 meses aconteceu.... Nunca? Pior, a resposta até podia ser a mesma - um rotundo não vai dar, mas a forma como nos falam dá vontade de lhes atirar com uma coisa à cabeça, com aquela arrogância de quem nunca esteve desempregado e por isso despreza quem está nessa situação e não mostra qualquer simpatia.

 

São este tipo de burocracias estúpidas que atrasam um país que, no século XXI, vive numa realidade dos anos 70. Onde desempregados são tratados como criminosos, com apresentações quinzenais. Onde não há o mínimo de flexibilidade para entender que a vida não é linear, que há situações que fogem às leis obsoletas destes organismos. O que provavelmente vai acontecer é que, se a empresa não estiver para 'aturar' estas situações de ter de chegar mais tarde/sair mais cedo para ir às apresentações vou acabar por deixar de receber o subsídio de desemprego e ter de recorrer à ajuda financeira de familiares para não perder uma óptima oportunidade de emprego. E são estas merdinhas deste país que me fazem ter vontade de fazer as malas e ir embora de vez, porque descontamos para tudo e mais um par de botas e quando precisamos da mínima coisa do estado fazem ouvidos moucos e estão-se a cagar para as pessoas. E já não tenho vontade nenhuma de viver num país assim. Bardamerda para isto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:12

Saiu recentemente (em Outubro sensivelmente) a notícia que o MNE ia abrir concurso para estágios profissionais em Março. Desde que acabei a licenciatura, em 2012, é a primeira vez que o fazem. No meu actual trabalho o contrato acaba em Maio (sem hipótese qualquer de renovação, como em todos os sítios no fundo) e pensei que esta podia ser uma boa oportunidade de trabalhar na minha área de formação, Relações Internacionais. As candidaturas abriram na segunda-feira e ontem registei-me no site e iniciei o processo de candidatura. Preenchi os meus dados pessoais, habilitações académicas e para avançar aparecem alguns itens tipo termos e condições e deparo-me com a alínea d), ponto 2:

 

"[Declaro que] não exerci uma ou mais atividades profissionais por um período seguido ou interpolado, superior a 12 meses"

 

Esta alínea exclui-me de me candidatar a um estágio na minha área porque, admirem-se, desde que acabei a licenciatura, HÁ 3 ANOS, tive de trabalhar. Coisas da vida, ter de trabalhar para viver. Ter contas para pagar, tirar uma Pós-Graduação e, sei lá, comer, obrigaram-me a trabalhar num sítio com condições precárias, a fazer uma coisa que não gosto. E sou prejudicada por isso. Mas após 8 meses de desemprego tive de aceitar o que havia. Isto leva-me a concluir que estes estágios são apenas para quem, aos 22 anos (tendo iniciado a licenciatura aos 18 e feito tudo certinho) nunca teve de trabalhar, excluindo assim aqueles que tiveram de pagar os estudos e aqueles que, sem perspectivas de trabalhar na área, tiveram de se fazer à vida nos entre-tantos (duas situações em que me incluo). Acho que vai ser um desafio encontrar pessoas até aos 30 anos que nunca tenham trabalhado um ano. Ou não, se formos procurar camadas da sociedade mais abastadas onde as pessoas não são obrigadas a trabalhar se querem estudar. E atenção que não tenho nada contra estas pessoas, acho que, se podem, devem aproveitar a situação. Mas acho injusto que eu (e a maioria dos meus colegas que acabaram o curso em 2012 e 2013) não possa concorrer a um estágio na minha área porque trabalhei noutras áreas para ter dinheiro. Sim, podem-me dizer que um estágio é para quem não tem experiência, é para aprender. Mas de facto eu na minha área não tenho experiência nenhuma. E se calhar nunca vou ter neste país onde os regulamentos e portarias estão muito longe da realidade.

 

Mas pode ser que um dia ainda possa vir a trabalhar na área. Quiçá lá fora.

 

Portanto deixo um apelo sentido: jovem que nunca trabalhaste, se ambicionas começar a tua actividade profissional agora que já estás crescido, aproveita, este estágio é para ti!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:36


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D