Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Um Quarto de Século de Solidão

por Miss F, em 17.07.15

Aproveitei a última Feira do Livro de Lisboa para colmatar uma falha nas minhas leituras - Gabriel Gracía Márquez. Admito que, durante muito tempo, lia essencialmente autores anglo-americanos e portugueses, mas tenho vindo a aventurar-me por outras terras e realmente nota-se que há uma diferença grande entre autores de diferentes línguas e países. Tenho descoberto outros mundos e encontrado autores que me deixaram rendida à sua escrita, nomeadamente Murakami, Carlos Ruiz Zafón e, agora, Gabriel García Márquez. 

 

Quando quero ler um autor novo procuro ler uma das suas obras mais conceituadas, neste caso escolhi o Cem Anos de Solidão (link para a sinopse na imagem) para começar.

 

 

Quando acabei o livro a minha reacção foi 'Como cheguei aos 25 anos sem ler García Márquez?'. O livro é bom, muito bom, a escrita é deliciosa, a história não tem nada de extraordinário, mas tudo se desenrola de uma forma tão natural e as personagens são tão interessantes que não dá para evitar ficar rendida à história dos Buendía. O livro tem como uma das personagens principais Úrsula, uma mulher forte e determinada, e este tipo de personagens femininas criam em mim um carinho especial. Gosto de mulheres fortes, com pêlo na venta. 

O livro é, por vezes, confuso uma vez que os filhos dão o nome dos avós aos netos, numa sucessão interminável, e acabamos por conhecer vários Josés Arcádios e vários Aurelianos, duas Amarantas e duas Remédios, logo, quando paramos a leitura e a reiniciamos temos de fazer ali uma pausa mental para saber em que geração estamos. A propósito de nomes este tem, para mim, o melhor nome que já vi e, infelizmente, só aparece uma vez: Tranquilina Maria Miniata Alacoque Buendía. Nomes destes fazem-me sempre soltar uma gargalhada (sim, sou de riso fácil). O livro tem poucos diálogos e poucos parágrafos o que, para uns pode ser maçador, mas dá maior fluidez à escrita; quanto à minha visão, estou habituada a este tipo de escrita e acho que há livros que pedem este tipo de escrita - este é um deles.

 

Termino a minha opinião dizendo que este é um daqueles livros sobre nada e sobre coisa nenhuma, mas que nos prende à força das suas personagens, tão iguais e tão diferentes entre si.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:37


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D